Vladimir Kush

Vladimir KUSH, Ripples on the Ocean, (Ondulações no Oceano)

Rumi

A vela do navio do ser humano é a fé.
Quando há uma vela, o vento pode levá-lo
A um lugar após outro de poder e maravilha.
Sem vela, todas as palavras são ventos.

Jalāl-ad-Dīn Muhammad RUMI




domingo, 28 de fevereiro de 2010

raposas

raposas

9 comentários:

Silvio Feitosa disse...

Simplesmente lindas!

tomas disse...

ficam exactamente entre o cão e o veado

resta perguntar o que veio primeiro
o cão, o veado ou a raposa?

almariada disse...

olá sílvio e tomás, vejam se gostam desta história de raposas:

http://nipocultura.blogspot.com/2007/08/lendas-do-japo.html

Silvio Feitosa disse...

Gostei da história Almariada, sabia que as raposas tinham um que na história deles, e achei muito interessante esta história.
Vlw pelo link.

Nivaldete disse...

O que será que dizem?...

almariada disse...

Olá Nivaldete, acho que não dizem, escutam... ;)

teresa disse...

Bonita fotografia. Nunca as deixo de associar à expressão «apanhar uma raposa», caída em desuso (o meu pai, no início de cada ano lectivo, dizia-nos sempre que não queria raposas lá em casa...) e às fábulas que, geralmente, não as retratam de modo elogioso. Assim muito de repente, ocorreu-me «A Raposa e a Cegonha», «A Raposa e as Uvas» e, finalmente (esta acaba bem para tão bonito animal) «O Corvo e o Queijo». Se a memória me não falha, nesta última é a raposa que acaba por ganhar o belo queijinho (seria um Camambert?):)

O disse...

Grande coincidência!
Nestes dias é quando os raposinhos e as raposinhas abandonam a camada familiar e saem buscar a vida pelos mundos adiante.
Lindo!

almariada disse...

Olá O,
fico contente por saber isso! :)
obrigada, um abraço