Vladimir Kush

Vladimir KUSH, Ripples on the Ocean, (Ondulações no Oceano)

Rumi

A vela do navio do ser humano é a fé.
Quando há uma vela, o vento pode levá-lo
A um lugar após outro de poder e maravilha.
Sem vela, todas as palavras são ventos.

Jalāl-ad-Dīn Muhammad RUMI




segunda-feira, 20 de julho de 2009

Empoleirada numa distância imaginária

À ilha de Ignaluk, como é chamada pelos seus habitantes inuit, e que pertence ao Alasca (EUA), também se chama Diomedes Menor e ilha de ontem porque a linha convencional de mudança de data passa ali mesmo ao lado, servindo também de fronteira, uma vez que a Diomedes Maior que pertence à Sibéria (Rússia) fica do outro e por isso também se chama ilha de amanhã.

Diomedes é um herói grego da Guerra de Tróia cujo nome é composto por Dio (Deus, neste caso Zeus) e midis (conselho, astúcia). Mas o nome de Diomedes foi dado a estas ilhas porque um dinamarquês as descobriu, ao serviço da Rússia, no dia de S. Diomedes, segundo o calendário da igreja ortodoxa, ou seja: a 16 de Agosto.

Há séculos que estas ilhas são habitadas pelo mesmo povo inuit mas foram divididas entre os EUA e a Rússia e também entre as datas, o que faz com que um canal de água de 4 km aproximadamente que, nos anos em que o inverno é tão frio que o mar gela, é possível passar a pé, represente uma grande diferença no pensamento geo-político a que se chama global mas continua a ser chato. Porque a projecção de Mercator se tornou a representação habitual do mundo, imaginamos que a Rússia e a América estão em lados opostos - em termos políticos como geográficos. Para unir esta cisão imaginária foi proposta uma Ponte Intercontinental da Paz.

No cimo da ilha de Ignaluk estão estas pedras. Em língua inglesa chama-se a isto "perched boulder" e não sei se há algum equivalente estabelecido para a língua portuguesa. "Perched boulder" quer dizer, mais ou menos, pedregulho empoleirado.

Pode dizer-se que daqui se vê, quando não há nevoeiro, o que parece ser raro, o lugar onde se imagina que o mundo e o tempo se dividem entre esquerda e direita, entre hoje e amanhã, etc., ...

3 comentários:

tomas disse...

os extremos tocam-se!!

uma ponte?
mas uma ponte mesmo???


http://bezugo.blogspot.com/

almariada disse...

Sim, uma ponte mesmo! :)

É engraçado, não é? A imaginação desune o que está unido e depois cria pontes para unir o que desuniu... :)

Se tiveres paciência vai ver à Wikipédia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_Intercontinental_da_Paz

em espanhol chamam-lhe Projecto de União do Estreito de Bering (ponte ou túnel):

http://es.wikipedia.org/wiki/Proyecto_de_Uni%C3%B3n_del_Estrecho_de_Bering

em inglês há mais informação:

http://en.wikipedia.org/wiki/Bering_Strait_bridge

e em francês não se fala de ponte, só de túnel:

http://en.wikipedia.org/wiki/Bering_Strait_bridge

almariada disse...

o endereço em francês é este:

http://fr.wikipedia.org/wiki/Tunnel_sous_le_d%C3%A9troit_de_B%C3%A9ring