Vladimir Kush

Vladimir KUSH, Ripples on the Ocean, (Ondulações no Oceano)

Rumi

A vela do navio do ser humano é a fé.
Quando há uma vela, o vento pode levá-lo
A um lugar após outro de poder e maravilha.
Sem vela, todas as palavras são ventos.

Jalāl-ad-Dīn Muhammad RUMI




terça-feira, 30 de abril de 2013

rio

Fotografia tirada a bordo da Estação Espacial Internacional pelo astronauta canadiano Chris Hadfield, actual  
Comandante, no dia 26 de Abril de 2013.

Ele envia frequentemente mensagens, fotografias e vídeos através do Twitter: 

Chris Hadfield Conta verificada

@Cmdr_Hadfield

terça-feira, 23 de abril de 2013

matraca

Lembro-me de se vender nas feiras, sem pinturas. Creio que tive uma, mas não me lembro de lhe dar nome.

Este ano vi uma em Berlim, na loja de recordações da "Sinagoga Nova", e surpreendeu-me que fosse um instrumento musical judaico. Quis comprá-la mas  quando tentei fazê-la girar desmanchou-se... e não havia mais nenhuma.

Quando não sabemos o nome de uma coisa é difícil falar dela ou procurá-la. Hoje, andando em busca de outras informações, encontrei-a e descobri que em espanhol se chama "carraca". A partir daí encontrei o nome em português. Conhecia o nome mas associava-o a outro instrumento... A ignorância é assim, embora realmente também se chame matracas a outros instrumentos.

Esta foi a imagem de que gostei mais. Encontrei-a na Wikimedia com o nome checo de Rehtacka. Parece-me muito onomatopaico.

Graças aos leitores deste post aqui ficam links para quem quiser saber mais sobre matracas, e outros nomes que se dão a este instrumento, e instrumentos tradicionais em geral:

Museu Nacional de Etnologia - A Música e os Dias; Instrumentos Populares Portugueses

Projecto TASA - Brinquedos em cana. Das memórias de infância aos usos no presente.

Muito obrigada! :)

"roca" chamou-lhe alguém ... e creio que talvez fosse assim que lhe chamava ... !?

domingo, 21 de abril de 2013

histórias

Ando a ler "As Mil e Uma Noites" pela enésima vez. Esta edição ainda não tinha lido.  Comprei os livros sobretudo porque são daqueles antigos (a edição é de 1943) a que é preciso cortar as folhas e gosto mesmo muito disso. Agora ocorreu-me que é por causa de uma história que Xariar decide matar as mulheres com quem se casa.  Xerazade salva as mulheres e a si mesma contando-lhe histórias. Nas histórias que ela conta é também por causa de histórias que umas pessoas morrem e outras se salvam...

sexta-feira, 19 de abril de 2013

salvar estrangeiros

Embora o caso de Aristides de Sousa Mendes seja razoavelmente conhecido houve outros portugueses que salvaram estrangeiros durante os anos de guerra das décadas de 30 e 40 do séc. XX. No Alentejo contaram-me casos de espanhóis fugidos da Guerra Civil Espanhola e de crianças austríacas que vieram viver com famílias portuguesas durante a II Guerra Mundial.
Nesta altura houve também pescadores
portugueses, no continente e nas ilhas,  que salvaram marinheiros e aviadores.

Na imagem os três pescadores que salvaram seis tripulantes de um bombardeiro norte-americano que se despenhou ao largo de Faro em 1943.

Ver notícia e fotografia aqui.

terça-feira, 9 de abril de 2013

uma pedrinha

Um dia Jesus ia andando e viu um grupo de pessoas à volta de uma mulher de má fama. Era óbvio que a multidão se preparava para a apedrejar e Jesus fez então a declaração que se tornou famosa: "Quem nunca pecou que atire a primeira pedra."

A multidão envergonhou-se e uma a uma as pessoas foram-se embora. Então uma senhora amorosa chegou-se à frente e atirou uma pedrinha. Jesus olhou para ela e disse: "Realmente... detesto que faças isso, mãe!"


segunda-feira, 8 de abril de 2013

Adigueia

A Adigueia é uma República da Federação da Rússia. O quadro mostra convenções ortográficas - ver: a folha - Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias, nº 28 - Outono de 2008: artigo "Geografia do Cáucaso"
_________________________________________

Eu sei, a Adigueia é tão pequenina.
Nas manchas do mapa, perto das
Montanhas do Cáucaso,
Toda ela cabe debaixo da ponta
do dedo indicador -
A terra que era todo
O mundo para mim.

Iskhak Mashbash

O poema, em inglês, encontrei-o aqui