Vladimir Kush

Vladimir KUSH, Ripples on the Ocean, (Ondulações no Oceano)

Rumi

A vela do navio do ser humano é a fé.
Quando há uma vela, o vento pode levá-lo
A um lugar após outro de poder e maravilha.
Sem vela, todas as palavras são ventos.

Jalāl-ad-Dīn Muhammad RUMI




quarta-feira, 30 de setembro de 2015

a morte não é um mito

"Não tenho filhos ainda, mas quando os tiver quero vê-los a brincar com caixões e mais tarde a tomar conta da empresa, sem verem a morte como um bicho-de-sete-cabeças ou um mito, como a maioria das pessoas."
Mylena Cooper (notícia de hoje no Diário de Notícias)

A «Funerária Cooper» foi criada nos anos 20 no Sul do Brasil por um emigrante irlandês que fazia caixotes de madeira para alimentos até lhe pedirem que fizesse um caixão. O filho desenvolveu a empresa acrescentando o serviço de cremação, revoada de pombas e chuva de rosas. Abriu também sucursais noutras cidades. Agora Mylena Cooper, a neta, propôs o serviço de enviar cinzas para o espaço - uma cooperação com a NASA - mas no Brasil não resultou: «ninguém quer mandar os parentes para longe».  

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Dez mil milhas do rio Yangtze

Pintura anónima em seda. Dinastia Ming (1368-1644). É possível que haja outras maneiras de vê-la, Através da Wikipedia encontra-se carregando aqui e carregando novamente para ver maior. 

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Bom dia vi amigo


Bom dia vi amigo,
pois seu mandad'hei migo,
louçana.

Bom dia vi amado,
pois mig'hei seu mandado,
louçana.

Pois seu mandad'hei migo,
rog'eu a Deus e digo
louçana.

Pois migo hei seu mandado,
rog'eu a Deus de grado,
louçana.

Rog'eu a Deus e digo
por aquel meu amigo,
louçana.

[Rog'eu a Deus de grado
por aquel namorado,
louçana.]

Por aquel meu amigo,
que o veja comigo,
louçana.

Por aquel namorado,
que fosse já chegado,
louçana.

D. Dinis

Fontes manuscritas no site da FCSH aqui

terça-feira, 1 de setembro de 2015