Vladimir Kush

Vladimir KUSH, Ripples on the Ocean, (Ondulações no Oceano)

Rumi

A vela do navio do ser humano é a fé.
Quando há uma vela, o vento pode levá-lo
A um lugar após outro de poder e maravilha.
Sem vela, todas as palavras são ventos.

Jalāl-ad-Dīn Muhammad RUMI




quinta-feira, 30 de setembro de 2010

nós sem eles

"Ninguém quer fazer mal aos ciganos em Portugal, mas a verdade é que eles nos incomodam; o que a gente queria era que eles não existissem."

Citação no artigo de José Gabriel Pereira Bastos, "Sobre a Questão Cigana", Expresso (Atual), 25 de Setembro 2010

Negritos meus - O uso dos pronomes pessoais dá-me que pensar...

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

a fonte da vida no teu coração

"Junta todas as tuas energias e concentra-as na fonte da vida no teu coração para que as tuas descobertas se tornem imperecíveis, de modo que vivas em equilíbrio e tranquilidade e conheças a eternidade."

tradução do inglês

Molana Shah Maghsoud Sadegh Angha

Message from the Soul

terça-feira, 28 de setembro de 2010

pedras e palavras

As pedras e as palavras - post do blog Sopas de Pedra do muito Sábio e grande Mestre Professor Galopim de Carvalho e parte do seu livro “Introdução ao Estudo do Magmatismo e das Rochas Magmáticas”, Âncora Editora, Lisboa, 2002 - é um texto para toda a gente (divulguem o mais que puderem!) mas sobretudo para quem gosta de pedras e de palavras!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Lua das colheitas

Celebra-se amanhã à noite, na China e noutros países asiáticos, o Festival do Meio do Outono ou a Lua das Colheitas, além de outros nomes por que também é conhecida esta festa em que as famílias se reúnem para gozar o prazer da Lua cheia.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

para lá da explicação

«Atrás de uma cortina ensanguentada, o amor espalhou os seus jardins.

Os amorosos ocupam-se com a beleza do amor que está para lá da explicação.

O intelecto diz: 'As seis direcções são o limite, não há nada para lá delas.'

O amor diz: 'Há um caminho, e eu percorri-o muitas vezes.'

O amor detectou mercados para lá do mercado.

O intelecto diz: 'Não ponhas o pé na terra da aniquilação;

Não há lá nada senão espinhos.'

O amor diz: 'Esses espinhos que sentes estão apenas dentro de ti!

Não digas nada! retira o espinho da existência do pé do coração;

Para que possas ver jardins interiores.'

Ó Shams de Tabriz! tu és o Sol oculto pela nuvem do discurso;

Quando o teu Sol nasceu, todas as palavras se derreteram!»

.

Jalal al-Din Rumi

(Divan 132:1-3, 6-8)

.

traduzido da tradução para inglês de Fatemeh Keshavarz,

'Reading Mystical Lyric: The Case of Jalal al-Din Rumi', University of South Carolina Press, 1998

.

este é o poema de hoje em Daily Poems from Rumi

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

道德經

Para todas as pessoas que se interessam pelo livro clássico chinês "Tao Te Ching" ou "Daodejing" que são as formas mais comuns de o traduzir, deixo aqui este link. É uma lista de traduções em inglês de cada linha de cada capítulo.

A imagem vem daqui.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

cor-de-rosa

"com óculos cor-de-rosa, só se vê o mundo cor de rosa, enquanto dura a lembrança do outro, do que o não era: ao fim de pouco tempo com óculos cor-de-rosa, a cor de rosa não existe..."

Vergílio Ferreira, in Carta ao Futuro

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

A Terra e a Lua

A Terra e a Lua entre as constelações de Balança e Escorpião. Fotografia tirada no dia 6 de Maio de 2010 pela nave espacial "Messenger" (NASA) em órbita em torno de Mercúrio.

domingo, 12 de setembro de 2010

Saule

A cultura da Letónia está fortemente ligada à da Filândia onde as deusas mães se mantiveram muito importantes.

Saule é a deusa do Sol (a Mãe Sol que morre e renasce como filha) e esta imagem representa-a. É também pensada como maçã vermelha.

sábado, 11 de setembro de 2010

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Hino a Perséfone

As Iniciações Órficas

Hino a Proserpina

.

Filha de Júpiter toda poderosa e divina

Vem, rainha abençoada, e inclina-te para estes ritos:

Filha unigénita, de Plutão honrada esposa,

Oh honrada Deusa, fonte da vida:

Pertence-te a ti morar nas profundidades da Terra

Seguras pelas largas portas do desânimo do inferno:

Descendente sagrada de Júpiter, de bela fisionomia

Fatal, com lindas fechaduras, rainha infernal:

Fonte das fúrias, cujo sistema bendito

Procede das sementes inefáveis e secretas de Júpiter:

Mãe de Baco, Sonoro, divino,

E de muitas formas, pai da vinha:

As Horas bailarinas servem-te, brilhante essência

Virgem que tudo governas, que trazes luz celeste:

.

Ilustre, com chifres, de mente generosa,

A única desejada pelos do género mortal.

Oh, rainha da Primavera, que te delicias com prados de ervas,

Doce ao olfacto e agradável à vista:

Cuja forma sagrada vemos nos botões dos frutos

Prole vigorosa da Terra com vários matizes:

Casada no Outono: apenas a vida e a morte

Dos míseros mortais é conhecida pelo teu poder:

Pois tua é a tarefa de acordo com a tua vontade

De produzir a vida e tudo o que vive matar.

.

Ouve, abençoada Deusa, envia um rico aumento

Dos vários frutos da Terra, com paz amorosa;

Envia saúde com mão gentil, e coroa a minha vida

Com abundância abençoada, livre de luta ruidosa;

Deixa para a extrema velhice a presa da Morte,

Dispensa-nos de ter já os reinos subterrâneos,

O teu belo palácio, e as tuas abençoadas planícies

Onde moram espíritos felizes e reina Plutão.

.

Traduzido da tradução de Thomas Taylor (1792)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

29

Utagawa Hiroshige(1797-1858), Vista 29 do Monte Fuji

Estampa 29 das "Canções da Experiência" de William Blake (1757-1827)

sábado, 4 de setembro de 2010

Philodromus Emarginatus Lusitanicus

Na manhã de quinta-feira passada fui ao campo e vi uma aranha parecida com esta a andar sobre as ervas secas.

Depois de pesquisar na internet julgo que talvez possa ser uma Philodromus Emarginatus Lusitanicus, mas não encontrei nenhuma fotografia - e quando vi a aranha o meu telemóvel estava com pouca bateria e não tirava fotografias...

Para quem tenha curiosidade de saber quem e quando classifica e como se fazem estas classificações aqui fica o link.

A aracnologia é uma ciência negligenciada em Portugal.